segunda-feira, 26 de outubro de 2009

PICADAS DE COBRA - Primeiros socorros Dogo Argentino


"Ou se tem chuva ou não se tem sol,
ou se tem sol ou não se tem chuva!
Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo..."

(Cecília Meireles)


Aqui no sítio existe sempre a preocupação com as cobras, impossível esquecer que elas existem! Estamos nos limites da reserva do Parque Estadual da Pedra Branca, recebemos as mais diversas "visitas". Dentro dos cercados e na maternidade existe uma certa segurança, mas o mundo lá fora é sempre bem mais interessante para os dogos.
.


Nos passeios diários, os dogos sempre entram mata a dentro e não existe forma de evitar que certos acidentes aconteçam. Os filhotes então... costumam se perder pelas trilhas! Cada cantinho uma história...
Entendemos o porquê da sua existência e hoje podemos explorar bastante do potencial de caçador que existe dentro de cada um deles.



Desde cedo os Bravurinhas são levados a explorar a mata, isso garante o seu bom desenvolvimento psíquico e aguça o instinto de caçador que gradativamente começa a dar sinais de aparecer.
É preciso deixar que eles cresçam e se arrisquem, porém ficamos sempre atentos a qualquer sinal ou sintoma que fuja do normal.



No Brasil existem 70 espécies de cobras venenosas. Os cães são picados geralmente na região do focinho, peito e pescoço porque na maioria das vezes eles aproximam-se das cobras para cheirar, por curiosidade.
A picada é muito dolorosa. O local pode apresentar as marcas das presas, embora os pêlos atrapalhem muito a visualização.
A região pode começar a inchar muito e a pele tornar-se escura.


Alguns animais podem entrar em choque se muito veneno for injetado. Um inchaço muito grande na região do pescoço pode causar dificuldade respiratória no animal.
Recomenda-se deixar o animal calmo, sem muito movimento, e encaminhá-lo imediatamente ao veterinário. É importante saber o tipo de cobra que o picou para facilitar a medicação com soro específico.



Em casos de sintomas mais leves a aplicação é subcutânea. Nos casos graves, ela deve ser feita pelo veterinário, na veia, acompanhada de um anti-histamínico para evitar uma reação do organismo à aplicação do soro.



Como saber se o animal foi picado?
A picada geralmente é muito dolorosa. O local pode apresentar as marcas de dentes, embora os pêlos atrapalhem muito a visualização. A região pode incha bastante e a pele tornar-se arroxeada. Os pêlos podem começar a descolar. Alguns animais podem entrar em choque se muito veneno for injetado. Nem todas as picadas de cobras venenosas podem conter uma grande quantidade de veneno, portanto, os sintomas podem variar de leves a graves. A pele poderá cair próximo ao local da picada. Um inchaço grande na região do pescoço pode causar dificuldade respiratória no animal.

Se animal for picado, o que fazer?
Independente do tipo de cobra que picou o animal, o atendimento de emergência é o mesmo. Mantenha o animal calmo e não deixe que ele se movimente muito. Encaminhe o cão ao veterinário para que ele receba o soro específico, que é o único método eficaz de combater o envenenamento. 
Você pode colocar um saco plástico com gelo sobre o local da picada, na tentativa de conter o inchaço, até chegar ao veterinário. Isso nem sempre é possível devido à dor na região. Se o animal entrar emchoque, mantenha-o aquecido.
Se o seu cão está numa região onde é freqüente o aparecimento de cobras, converse com o seu veterinário e procure ter estocado em geladeira o soro específico para uso em animais (veterinário). O soro deve ser aplicado assim que for possível. Em casos de sintomas mais leves, a aplicação é subcutânea. Em casos graves, ela deve ser feita por via endovenosa (na veia). Informe-se com o veterinário da região para que ele lhe oriente como aplicar o soro e em caso de emergência.

O que você não deve fazer!

 não corte o local da picada: O veneno da jararaca, por exemplo, causa hemorragia; se você cortar o local, o sangramento se agravará;
 não faça torniquete: até pouco tempo, o torniquete era usado para evitar que o veneno se difundisse para o resto do corpo. Porém, fazendo o torniquete, a alta concentração de veneno no local da picada pode causar gangrena. Assim, NÃO se deve fazer torniquete, seja em humanos ou animais, sob o risco de gangrena no local da picada ou até a perda do membro;
 não coloque remédios caseiros sobre a picada (terra , fumo, etc..), isso só possibilitará a infecção do local e pode irritar ainda mais o ferimento.

Como eu posso saber que tipo de cobra picou meu animal?
Mesmo visualizando a cobra, para o leigo fica difícil a identificação. Mas por algumas características próprias e os sintomas, isso fica mais simples.
 JARARACA: responsável por quase 90,5% dos acidentes com cobras em humanos. Existem várias espécies que vivem em ambientes diferentes em todas as regiões do Brasil. Alcançam no máximo 2 metros.
- Sintomas do envenenamento: dor, inchaço muito evidente, manchas arroxeadas na pele e sangramento no local. Pode aparecer sangue na urina.
- Complicações: pode ocorrer gangrena, bolhas ou abscesso no local da picada; insuficiência renal aguda.
 CASCAVEL: responsável por quase 7,7% dos acidentes no homem. Chegam a medir 1,8 metros. Possui chocalho na ponta do rabo.
- Sintomas do envenenamento: (até 3 horas após o acidente) sinais neurológicos. O veneno causa alterações na visão (o animal pode andar como se estivesse tonto), dor muscular e urina avermelhada que irá se tornando mais escura com o passar do tempo.
- Complicações: insuficiência renal.
 SURUCUCU: responsável por quase 1,4% das picadas. É uma cobra grande que chega a medir 4,5 metros. É mais comum na região amazônica.
- Sintomas do envenenamento: inchaço no local, diarréia, vômito e sangramento.
 CORAL: responsáveis por menos de 0,4% dos acidentes. É difícil diferenciar as corais verdadeiras das falsas, não venenosas. Vivem escondidas em tocas e aparecem em inundações. O veneno é muito potente e pode matar em minutos.
- Sintomas do envenenamento: sinais neurológicos como dificuldade de abrir os olhos, falta de ar, dificuldade em engolir, insuficiência respiratória aguda.
Para saber mais sobre acidentes com cobras, visite o Instituto Butantã:http://www.butantan.gov.br

Que tipo de soro usar?
Em animais, utiliza-se o soro polivalente veterinário, que neutraliza os venenos de jararaca, cascavel e surucucu. A quantidade de soro usada vai depender da gravidade do envenenamento. O uso de antibióticos se faz necessário, para evitar infecções secundárias, assim como anti-inflamatórios para diminuir a dor e inchaço, e anti-hemorrágicos.
Tanto o animal como o ser humano pode sobreviver a um acidente com cobras, desde que medicados à tempo. Ninguém se torna imune ao veneno após ser picado e sobreviver, ou após receber o soro.

Evite as cobras - a limpeza é muito importante!
Combata os ratos, pois as cobras alimentam-se deles. Mantenha sempre limpos os terrenos, quintais e plantações. Deixe o lixo fora da propriedade. Coloque os sacos de ração em locais altos ou em recipientes bem fechados.

Equilíbrio Ecológico
Preserve os predadores. Emas, gansos, seriemas, gaviões, gambás e a cobra Muçurana são os predadores naturais das cobras venenosas. Conserve o meio ambiente. Desmatamentos e queimadas devem ser evitados. Além de destruir a natureza, provocam mudanças de hábitos dos animais, que se refugiam em paióis, celeiros ou mesmo dentro das casas. 




Nós temos esse composto para emergências:


Um pouco do seu detalhamento técnico


MASTER SORO PLUS - SORO ANTIOFÍDICO POLIVALENTE

INDICAÇÕES
Para tratamento de envenenamentos causados por serpentes do gênero Bothrops, Lachesis e Crotalus, em animais.

NOTA:
Não é indicado nos acidentes causados por Micrurus (corais).

CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES:
Sintomas: Local - Bothrops: Edema pronunciado, hemorragia, equimoses, dor. Lachesis: Edema pronunciado, hemorragia, equimoses, dor. Crotalus: Ausência ou presença de edema discreto. Sintomas: Hematológico - Bothrops: Tempo de coagulação alterado, hemorragias. Lachesis: Tempo de coagulação alterado, hemorragias. Crotalus: Normal ou pouco alterado. Sintomas: Neurológico - Bothrops: Ausentes. Lachesis: Ausentes. Crotalus: Facies miastênica, cegueira, oftalmoplegia (pálpebras caídas). Sintomas: Urológico - Bothrops: Hematúria Eventual. Lachesis: Hematúria Eventual. Crotalus: Oligúria, anúria, hematúria, metahemoglobinúria (urina cor escura). Sintomas: Respiratória - Bothrops: Ausente nas primeiras horas. Lachesis: Ausente nas primeiras horas. Crotalus: Insuficiência respiratória
APRESENTAÇÕES
Estojo plástico contendo 1 frasco ampola do produto liofilizado acompanhado de 1 frasco de 20 mL de diluente estéril e seringa de 20 mL.
COMPOSIÇÃO DO PRODUTO
Master Soro Plus - soro antiofídico polivalente é uma solução de imunoglobulinas específicas, purificadas por digestão enzimática, concentradas e liofilizadas obtidas do soro de equídeos hiperimunizados, com veneno de serpente dos gêneros Crotalus, Bothrops e Lanchesis.

Um frasco de 20 mL contém:
Imunoglobulinas de origem equina, que neutralizam 100 mg de veneno de Bothrops jararaca, 100 mg de veneno de Lachesis muta e 30 mg de veneno de Crotalus durissus terrificus
DOSES E MODO DE USAR
Casos benignos: Aplicar 1 frasco pela via subcutânea do produto já reconstituído. Casos graves: Aplicar 3 frascos ou mais, do produto já reconstituído. pela via subcutânea ou intramuscular ou endovenosa a critério do médico veterinário.
Nos acidentes causados por Crotalus os casos são considerados graves.
OBSERVAÇÃO
RECOMENDAÇÕES GERAIS: Manter o animal em repouso e hidratado. Não usar garrotes ou torniquetes. Animais de pequeno porte recebem a mesma dose de soro. Na soroterapia de felídeos considerar a alta sensibilidade dos mesmos à presença do fenol, utilizado neste produto como preservativo. RECOMENDAÇÕES ESPECIAIS: Em casos de edema intenso e ocorrência de necrose, instituir tratamento cirúrgico adequado, antibióticos em presença de infecções secundárias, tratamento de suporte adequado e profilaxia do tétano, aos cuidados de um médico veterinário. O uso de qualquer produto biológico pode causar reações de hipersensibilidade. Neste caso, aplicar cloridrato de adrenalina.
CONSERVAÇÃO
Conservar em lugar fresco (até 25º C) ao abrigo da luz.

Consulte sempre seu médico veterinário!


A reprodução integral ou parcial de textos originais deste blog depende de autorização prévia Lei 9.610, de 19/02/1998. Todos os Direitos Reservados

Um comentário:

Dara lins disse...

meu pitt-bull apareceu com uma mordida estranha e eu fiquei assustada parecia ser uma mordida de cobra como faço pra identificar se é mordida de cobra ou não o lugar afetado está saindo uma salmoura e muito inchado mii ajudem por favor o que devo fazer

CORTE DE ORELHAS - SUA IMPORTÂNCIA NA RAÇA DOGO

Que o bem possa sempre vencer o mal. Que possa nos dar a proteção e força  que tanto buscamos para enfrentar os desafios pelos quais...